OLÁÁÁ!!! GERINGONCEIROS!

Se você é poeta, músico, ator, artista plástico, dançarino, aspirante, produtor ou curioso e quer mostrar seu trabalho, estabelecer contatos e somar, venha para o Redemoinho Artístico! E quem sabe mostrar o resultado disso no Amostra Grátis. Reuniões sempre às sextas, 17horas! no SESC Tijuca. Contato: tijuca.geringonca@sescrio.org.br

3 de nov de 2010

Redemoinho Especial

Um comentário:

victorcolonna disse...

Olá, sou poeta e cronista e gostaria de participar do evento de amanhã, dia 5/11, falando alguns poemas meus. Afinal é sempre importante divulgar a poesia. É possível? Tenho um blog onde divulgo meus trabalhos. Seguem aí três poemas e meus contatos. Abraços!

SUJEITO OCULTO (Victor Colonna)

O problema são as conjunções desconjuntadas
As interjeições rejeitadas
Os adjetivos desajeitados
Os substantivos sem substância
As relações de deselegância entre as palavras.

É preciso superar o superlativo:
O absoluto sintético
E o analítico.
Achar o verso
Entre o verbo epilético
E o pronome sifilítico.

Falta definir o artigo inoxidável
O numeral incontável, impagável.

Resta procurar o objeto direto
Situar o particípio passado
E o pretérito mais-que-perfeito

Desvendar a rima
Desnudar a palavra
Encontrar o predicado
E revelar o sujeito.


CURTO-CIRCUITO (Victor Colonna)


De repente eu paro e olho: é ele!
Desengato marcha-a-ré crescente
Meu rosto fica roxo, vermelho
Desamarra-se o elo da corrente.

Curto-circuito, incêndio, tragédia!
Meu cabelo arrepiado espeta
Meu pulso desencapado te choca
Meu corpo endiabrado, capeta.

E meu peito pega fogo: é vida.
Um calor que se desprende e solta
Amor é caminho longo: é ida
É só ida. Não tem volta.

ANTI-ÍCARO (Victor Colonna)


Não sei se foi vôo
Ou queda.

O abismo me encontrou
Quando pus os pés no chão.

Não desejei estrelas
Nem derreti as asas
Ao procurar o sol.

Caí sem ter subido aos céus.


SONETO DO NEURÒTICO(Victor Colonna)


Adoro essa vida odiável
Emocionante e tediosa
Tão gentil, tão intratratável
Tão sinistra, tão saborosa.

Detesto essa vida adorável
Acho a alegria pegajosa
A esperança pra mim, deplorável
E a angústia, deliciosa.

Tranqüilo no meio da tormenta
A tranqüilidade só me descontenta
Ao seguir minha reta sinuosa

Fujo da briga e vou à luta
Amando essa vida filha da puta
E odiando essa vida maravilhosa.


E-mail: victorcolonna@gmail.com
Tel: 92617736

TV Geringonça

Loading...